sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

UM AZTECA




A América nasceu do meu sangue 
E vive do meu sacrifício.
Lâminas e armas-de-fogo
Não destruiram meus ancestrais
E o milho frutifica o sol
Sobre as edificações do meu coração.
Meu pensamento perpetua o meu povo :
A terra é o que são os seus homens.  



América do Sul, julho / 2004.

Nenhum comentário:

Postar um comentário