domingo, 30 de junho de 2013

HORA SEM SONHO





Escrevo no silêncio da noite
O que amanhece em meu coração
Escrevo palavras que não enternecem
Versos de uma música que não é canção.
Escrevo como um condenado
Preso pela minha vontade
Como um cidadão à margem
Sem identidade e sem cidade.    




(Jardim Atlântico, Olinda / março 2005) 

quinta-feira, 13 de junho de 2013

NEM JARDIM NEM ATLÂNTICO





Quem mora no Jardim Atlântico
Mora em Olinda ?
Um bairro de uma cidade
Nem sempre é a cidade.
Em Olinda, o Jardim Atlântico
Não é para os olhos, não é desejo.
Balneário de casas caiadas sem azul
Jardim sem verde colorido de latidos
Apitos destroços idades perdidas e juventude sem flor
O seu mar é quase um rio azedo
E há uma beleza oca e perdida
Nessas ruas avenidas e praças
Onde já foi mata e terra frutífera.
O Jardim não floresce
E o Atlântico está morto
Como um peixe sem águas
Fluviais e oceânicas.



(Jardim Atlântico, Olinda, março / 2005)