quarta-feira, 24 de outubro de 2012

IMAGEM E SEMELHANÇA DOS HOMENS





São tão poucos os poetas no mundo !
É muito pequena a densidade demográfica da poesia nas cidades !
Quanto habitamos por quilômetro quadrado ?
Somos Amazônias de distâncias e silêncios.   


Para todo ser humano, para cada cidadão 
O direito sagrado ao pão ao vinho ao salário digno 
Ao amparo da casa e à companhia da Poesia, 
Um poeta como seu duplo, seu outro eu :
Um poeta no mundo para cada habitante recenseado 
- Uma humanidade solidamente construída.


Vejam as ruas das cidades 
sítios campos desertos
De gente desamparada e de espaços sem gente 
E a falta que a Poesia faz para cada um 
Como se Deus lhes faltasse também.  
Procurem os poetas com refletores de laser à luz do dia, 
Eles não estão escondidos e exilados em livros e bibliotecas,
Não nasceram ainda, não se multiplicam na face da Terra 
Como uma explosão genética saudável e necessária 
Para harmonizar cada homem e cada mulher 
Iluminação atomizada parindo a Vida 
Na indescoberta pedra preciosa de um poema 
Com os pedaços do céu do ar do mar e da terra 
E a fecundante semente cereal de cada palavra.   



(Jardim Atlântico, Olinda /
janeiro de 2005)