domingo, 20 de fevereiro de 2011

RECADO A UM POETA

para José Terra.



Não use as palavras;
encarne cada uma delas.
Não faça versos;
arranque-os da alma.
Não expresse o sangue;
deixe sangrar.
Não pense no coração
ou pelo coração;
seja todo coração.
Não viva pela emoção;
dane-se com ela.
Não escreva poesia;
morra pela poesia,
ressuscite por ela
e na poesia se eternize.



(Palmares, 2002)

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

NO "BAR DO PORTUGUÊS"

Aos amigos José Camejo e Maria da Graça



- Um vinho pela alegria
Ou um vinho pela tristeza ?
Diga, amigo meu,
O que servimos à mesa ?

- Um vinho pela alegria,
Completo se faria, presente.
Capaz de tudo o que é bom,
Por tudo o que agrada a gente !

Um vinho pela tristeza, não quero,
E isso ninguém vai querer.
Um vinho pela tristeza, amigo,
É preferível morrer !...



Palmares, 2002.