sábado, 24 de setembro de 2011

MONÓLOGO A DOIS




Não, não diga não.
Não diga não nunca jamais.  
Deixe que a minha mão errante 
chegue entre passeie adiante
deslize pela tua pele nua 
descubra pouso em tuas reentrâncias 
a carne pronta macia veludosa 
doce dádiva tua entrega sem disfarces 
sem recusa acidente qualquer errância 
sem susto na noite nunca distante 
deixe que os meus toques anunciem 
e descubram acesos nossos corpos amantes 
sem nenhuma palavra temerosa 
sem nenhuma palavra a mais ou a menos.   
Sim, não diga não, meu amor.



(Palmares, 2004)

terça-feira, 13 de setembro de 2011

A FABRICAÇÃO DA PAZ

"O mundo precisa fabricar é Paz!"
(DOM HELDER CAMARA)


Sim, Presidentes do Terceiro Mundo
(sem Primeiro e sem Segundo),
a nossa guerra é contra a Fome.  
Vamos acabar para sempre,
no Brasil pacífico que amamos,
com a maldita fabricação de armas
industrializadas febrilmente
para alimentar guerras
em todos os cantos do Planeta.
 E vamos converter todas as armas em arados,
como sonhava na África Desmond Tutu.
E transformar balas em sementes
planos militares em programas alimentares
bombas atômicas em explosões de vidas,
desarmar todos os soldados e homens
e transubstanciá-los em poetas,
que, nus e desarmados,
constroem, todos os dias,
a Grande Árvore da Paz.  



(Palmares, dezembro/2004)

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

QUE CRÍTICO !




Renato Carneiro Campos
Vendo a cena cultural
do Recife, hoje :
- Que cena ?



(Santo Amaro, Recife /
 setembro, 2011)