segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

POÉTICOS BAIRROS




As cidades são um corpo repartido
Cidadelas povoações estelares 
Um luminoso grande corpo unido. 
As cidades são bairros próximos 
Identificada pessoa coletiva 
Em cada canto vivido. 
Mais do que uma selva 
Que deslumbra o homem 
A cidade o próprio homem habita.  
E os bairros 
Partes líricas do inteiro corpo amado
São a própria poesia do nome revelado :
Ilha do Recife, Boa Vista, Santo Amaro,
Santo Antonio, São José, Derby, Soledade, Ilha do Leite,
Madalena, Aflitos, Graças, Parnamirim, Casa Forte,
Apipucos, Casa Amarela, Afogados, Arruda, Cajueiro, Barro,
 Jardim Atlântico, Casa Caiada, Rio Doce,
Carmo, Amparo, Sé, Bultrins, Ouro Preto,
Bairro Novo, Alto do Lenhador, Pedreiras,
Santa Luzia, Santa Rosa, Nova Palmares, Baixa da Égua,
Belenzinho, Brás, República, Luz, Campos Elíseos,
Consolação, Bela Vista, Aclimação, Ipiranga, Perdizes, 
Penha, Lapa, Itaquera, Vila Sabrina, Jardim Guançã,
Utinga, Vila Alpina, Vila Palmares, Parque das Nações,
No Recife, em Olinda, Palmares, São Paulo, Santo André,
Os bairros brilham nomes próprios  líricos definidos
Tão identificados com a história e a geografia do lugar,
Melhor do que números frios e antipoéticos números
Apenas CEP, catálogo, código insensível
Sem pronúncia viva e humana expressão.     


Palmares, junho / 2004.