domingo, 30 de setembro de 2012

O DONO DO MUNDO





O dono do mundo era Deus.
Mas ele não era republicano,
Não tinha nascido no Texas, 
Não havia falido empresas do pai
E pequenas petrolíferas americanas.
Não era um péssimo homem de negócios 
E um político medíocre,
Sem sensibilidade com os homens 
E sem caráter.
Também não mentia ao Congresso,
Não inventava armas e inimigos da Democracia 
E tiranias e vilanias 
E artefatos nucleares para destruição em massa 
Plantados nos quintais dos vizinhos. 
Deus não odiava o Oriente 
Como um campo de manobras 
Dos Estados Unidos da América Assassina. 
Deus não tinha sede de petróleo e de dinheiro 
Nem fabricava milhões de armas por segundo 
Para implodir Governos Onus e a Terra. 
Deus não era vesgo,
Caubói canastrão e duas vezes presidente 
Para manobrar e mandar jovens a uma Guerra Interminável
Sacanear o povo iludido 
E destruir com um toque de mídia o próprio País. 


"Deus salve a América",
Reza falsamente George W. Bush.
E quem salvará Deus 
Da sanha desumana de Bush,
Louvado superdolarizado e auto-proclamado 
O Dono do Mundo ?



(Olinda, janeiro de 2005)