terça-feira, 26 de março de 2013

NÃO É MAIS TEMPO DE MONSTROS






"Não é mais tempo de homens partidos..."
     (T S. ELIOT, in "Os homens ocos")


Não é mais tempo
de homens partidos 
de homens fodidos 
sem valor e esperança. 
Não é mais tempo
de lamentar e negar 
de livros de Jó
de igrejas e templos 
abertos para a Alienação
e o infame Purgatório
dos que sonham viver 
e ainda não viveram. 

Não é mais tempo 
de homens calados
de trevas angústias 
de demônios diários 
do Direito do Estado
castrando todas as vidas 
sem escolhas e sem sorte 
numa ilusão lotérica 
de assalto a assalto 
a cidades e futuros. 

Não é mais tempo
de almas vendidas 
no balcão de negócios 
nas casas de câmbio 
no bancos nas câmaras
assembléias e ruas 
Palácios sem alvoradas 
Planaltos de lama 
e Brasílias vilipendiadas 
nos Estados sem governo
Casas Brancas e Rosadas 
todas de fachada 
mentiras abertas 
com a moeda mais vil
só Dinheiro abjeto. 

Não é mais tempo
de Solidão
do homem morto 
antes da morte 
da inexistência 
da Alegria 
da multidão de assassinos 
e suicidas trucidando
o coração da Vida.    

Não é mais tempo
de Desamor 
monstro apocalíptico
verdade abortada 
nas mulheres e nos homens 
de tristezas e desertos 
doenças imaginárias 
e estações da Miséria. 

É tempo de luz 
Da palavra mais humana
- sem Dinheiro Alienação Desamor.  

É tempo de paz
nos corações nascidos
de vida eterna 
nos corações sem vida
da mais pura Alegria 
dos amores vividos 
da Humanidade sem fim
da eternidade dos dias
Da verdade verdadeira 
da criação da Poesia.  





(Olinda, amanhecer do dia
              9 / março / 2005)

Nenhum comentário:

Postar um comentário