segunda-feira, 14 de novembro de 2011

SEMPRE




Meu tempo é hoje 
Já foi amanhã
E será ontem.
Nada substitui o que é.
O novo não substitui o velho
 O moderno não destrói o passado 
As cidades são alicerçadas nas vilas 
O mundo envelhece como uma supernova.


(Palmares, abril / 2004)

Nenhum comentário:

Postar um comentário