quinta-feira, 13 de junho de 2013

NEM JARDIM NEM ATLÂNTICO





Quem mora no Jardim Atlântico
Mora em Olinda ?
Um bairro de uma cidade
Nem sempre é a cidade.
Em Olinda, o Jardim Atlântico
Não é para os olhos, não é desejo.
Balneário de casas caiadas sem azul
Jardim sem verde colorido de latidos
Apitos destroços idades perdidas e juventude sem flor
O seu mar é quase um rio azedo
E há uma beleza oca e perdida
Nessas ruas avenidas e praças
Onde já foi mata e terra frutífera.
O Jardim não floresce
E o Atlântico está morto
Como um peixe sem águas
Fluviais e oceânicas.



(Jardim Atlântico, Olinda, março / 2005) 

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Juareiz,
    Do modo como você faz sobre Jardim Atlântico, torna-se belo e sublime o poeta cantar o seu desencanto. Parabéns.

    ResponderExcluir
  3. Os encantos de Olinda morrem na orla, onde se é atropelado por bicicletas, por motos e automóveis dirigidos por psicopatas, mas há, também, as agressões dos próprios caminhantes bem vestidos, que cospem contra o vento e atingem os outros: eu passei por isto. Os encantos de Olinda seguem morrendo ruas a dentro com automóveis na contramão e os buzinaços do dia inteiro, prejudicando os estudos, as leituras, os trabalhos de quem trabalha...

    ResponderExcluir
  4. Esse poema deveria ser transcrito nos anais da Câmara de Vereadores de Olinda, distribuído porta a porta, recitado nas igrejas cujos sermões já estão tão gastos e quase sempre nada dizem além de só apontarem os dedos para os outros.................

    ResponderExcluir