sábado, 30 de abril de 2011

TUA ALMA

Os braços da tua alma
Me amparam
E os seios cheios fartos de calor
Aninham a minha cabeça
Com aventuras no campo fértil
Do ventre da tua alma.
A macia carne da tua alma
Inebria e conduz a minha boca
Por todos os poros
Dos teus segredos.
A buceta da tua alma
Me engole e me devora
Tudo o que eu sou
E te dou.
Tua alma animal me come
E as coxas terrenas da tua alma
Abismam e confortam o teu sexo
Para o meu sexo.
Dentro da tua alma
Eu sou o meu corpo inteiro
E todo teu.
Etéreo é o teu corpo
E sonha ser
Completo e eterno.



Palmares, junho 2002.

Nenhum comentário:

Postar um comentário