sábado, 4 de setembro de 2010

BOCA PINTADA NÃO DIZ NADA

Vou apagar a tua boca,
Disse o poeta, com raiva
Do batom vermelho da Avon
E de todas as fábricas de cosméticos
Que alteravam a beleza natural
Da sua mulher.
Queria a sua boca
Clara, límpida, nua pele macia
Sexo desenhado no rosto alvo
De vermelho apenas o sangue
Aflorado nos lábios
Anunciando a língua em fogo
E suas promessas de prazer.



Palmares, junho, 2001.

Nenhum comentário:

Postar um comentário