sábado, 29 de janeiro de 2011

A MULHER DE VERDADE DO POETA J.C.

Devorado pela sua fome
E sua sede
Ele lhe disse :
- Você me deixa marcas no corpo.


Ardendo dentro dele
Ela murmurou :
- Não quero marcar seu corpo.
Quero marcar sua alma.




Palmares, junho/ 2002.

Nenhum comentário:

Postar um comentário